O Coruja das coisas…

O mundo ao alcance de seus olhos…

Marina Silva, 51 anos, acreana, senadora

“Dos 5 aos 14 anos, morei com minha avó Julia, em Mecejana, no Ceará. Eu morava numa casinha de palha, a 10 quilômetros da casa do meu pai. Ficava numa capoeira. Minha avó era uma pessoa muito inteligente, capaz de decorar um livro inteiro de cordel apenas de ouvir a história umas duas vezes. Como ela não sabia ler, meu pai lia para ela, e ela me contava as histórias. Ou as cantava em forma de cantoria, como os repentistas. Foi com ela que aprendi os rudimentos do cristianismo. Ela tinha um catecismo feito de papel-cuchê, com umas ilustrações belíssimas da Capela Sistina, que mostrava desde a Criação até o Apocalipse, o fim do mundo. O livro não tinha escrita, só ilustração. Era feito para analfabetos. Minha avó dizia que no Ceará havia padres, freiras e tudo isso. No meu imaginário de criança, ao ouvir tudo isso, eu comecei a dizer que, quando eu crescesse, seria freira. Todas as vezes que eu dizia isso, ela me aconselhava a estudar. Dizia que freira não podia ser analfabeta. E cresci com esse conselho. Quando fiquei doente, resolvi cuidar da minha saúde e ser freira. Fui para um convento, onde fiquei dois anos e oito meses. Foi assim que comecei a estudar. Para ser freira, eu tinha de aprender a ler. Eu tinha 16 anos e meio quando fui para Rio Branco para ser freira. E continuo tentando me curar do analfabetismo até hoje. Analfabeto é também quem não consegue fazer uma leitura em relação aos tempos que está vivendo, quem não consegue ler os valores que se quer reforçar ou outros que a gente precisa mudar. Enfim, a alfabetização é um processo contínuo; é dar outra significação à vida.”

O melhor conselho que recebi: Nunca se explique

O Coruja

Rubem Alves, 76 anos, mineiro, escritor, educador

“Era 1964. Eu tinha 30 anos e estava fazendo pós-graduação nos Estados Unidos. No Brasil, o golpe militar trouxe um clima em que qualquer coisa era subversão. Não era preciso fazer nada para ir preso. Muitos amigos meus foram assassinados. Eu escrevia artigos falando de liberdade, nada explícito contra o regime, mas é claro que eu era contra ele. E assim ganhei inimigos. Eu tinha sido pastor. Pessoas que não gostavam de mim dentro da igreja começaram a me fazer acusações. Nada era claro. Nunca sabemos direito como são as coisas. Chegavam mensagens do tipo ‘consta que existe um documento contra você’ e tal. Eram ameaças. E, naquela época, até provar que focinho de porco não era tomada elétrica… Eu quis me defender. Publiquei artigos em revistas americanas para me explicar. Não houve repercussão. Foi então que meu professor de filosofia na universidade, muito sábio, me deu o melhor conselho que já me deram na vida. Ele me disse: ‘Rubem, nunca se explique. Para seus amigos, não é preciso se explicar. Para seus inimigos, é inútil se explicar’. Eu tentei seguir o conselho. Sempre tento, mas muitas vezes eu desobedeço. Ninguém segue conselho, né?”

O melhor conselho que recebi: Nada acontece sem esforço

Roger Agnelli, 50 anos, paulista, empresário

“O melhor conselho que recebi veio do meu pai. Eu sempre uso a frase que ele me dizia: ‘Peça a Nossa Senhora e não saia correndo atrás, para ver o que acontece’. Não acontece nada se a gente não se esforçar, se não trabalhar, não tiver um planejamento. Ou seja, só ficar na expectativa e não mergulhar, não encarar, não enfrentar os problemas. Minha primeira atitude é sempre correr atrás, não fugir do problema, ir atrás dele para resolvê-lo. Eu sempre procuro entender as questões com profundidade e ver quais são as soluções. Procuro adotar uma estratégia para resolver, ver todas as formas e os ângulos de determinado problema para depois pedir a Nossa Senhora e sair correndo atrás. Outra frase que meu pai dizia é: ‘Nunca chame o lobo para se defender do cão’. Se você não é suficientemente apto para lidar com um problema, não se meta nele. Não pense que, ao chamar alguém mais esperto do que você, ele vai te ajudar. Pode até atrapalhar.”

Eike Batista, 52 anos, carioca, empresário

“Minha mãe, Jutta Batista, me fez entender que ter disciplina faz uma enorme diferença na vida. Eu tinha por volta de 13 anos quando ela conversou comigo sobre o assunto. Acordar cedo, cumprir as tarefas, os horários, ser sempre pontual nos compromissos. No fundo, tudo é disciplina, e ela me ajudou em todos os aspectos. Eu sofria de asma quando criança. Minha mãe sabia que uma das maneiras de me curar era nadando. Então, ela me incentivou na natação, me fez ter disciplina e dedicação. Segui o conselho e me curei da asma. O que ela me ensinou também foi absolutamente vital para meu trabalho, como empreendedor e criador de novos negócios. Cumprir as metas traçadas, com disciplina e constância, e executar os projetos até o fim. Cumprir todas as regras, sem pular etapas. Graças a esse conselho, também continuo a fazer exercício pelo menos duas vezes por semana. Tenho 52 anos e uma saúde de ferro.”

O melhor conselho que recebi: Pare e respire

Gisele Bündchen, 29 anos, gaúcha, top model

“Um profissional naturopata (que trabalha com medicina natural) me disse: ‘Pare e respire’. Ele me mostrou a importância que essa atitude tinha. Isso foi há cinco anos. Desde então, aprendi quão valioso é parar e estar consciente sobre minha respiração. Quando estamos muito ansiosos, não conseguimos nos centrar. Ao nos concentrarmos na respiração, vivemos muito mais o momento e temos mais consciência de nossas atitudes e de nosso corpo. Com certeza, a respiração correta ajuda a nos manter em equilíbrio. Hoje em dia, uso essa prática e sinto a diferença. Controlo mais a ansiedade, minhas emoções e aproveito muito mais cada momento da minha vida.”

Rayovac versus Duracell

Rayovac x Duracell

Briga à vista no mercado de pilhas. Desde o fim de semana, a Rayovac lançou a campnha denominada o “Desafio Rayovac”. Segundo a companhia, testes realizados pela Intertek, empresa autorizada pelo Inmetro, comprovaram que a sua marca e a Duracell, da Procter & Gamble, possuem a mesma média de duração.

A única diferença, diz a Rayovac, está no preço. “A Rayovac custa menos”. Segundo o site, o consumidor poderia economizar até R$ 0,50. A campanha começou no fim de semana e contempla mídia impressa e ações na internet. O resultado do teste está disponibilizado no site da empresa na internet. A Duracell, segundo fontes, estuda algum tipo de medida. Oficialmente, não comenta o caso.

A questão é que a Duracell, que acabou de contratar o goleiro Júlio César para uma promoção voltada para a Copa do Mundo, sempre afirmou em campanhas que suas pihas duram até oito vezes mais. No último Natal, por exemplo, a campanha publicitária era “Faça um Natal 8x mais feliz”. A briga é por um mercado que movimenta cerca de R$ 555 milhões por ano no Brasil, segundo a Nielsen.

Algo semelhante aconteceu há poucos meses quando a Kaiser fez um teste cego. Na peça, o teste mostrava que a qualidade da bebida era superior em relação aos concorrentes. As empresas rivais tentaram tirar a campanha do ar, mas a Justiça não autorizou. Resultado: a Kaiser registrou um pequeno aumento de participação no mercado.

Posicionamento

  • terça-feira mar 30,2010 11:15 PM
  • By Russo
  • In Marketing

Está na Bíblia do Marketing, o velho e bom Kotler, desta vez na edição com Keller:Posicionamento é a ação de projetar o produto e a imagem da empresa para ocupar um lugar diferenciado na mente do público-alvo. Os lançadores da idéia (ou pelo menos os que a popularizaram) foram Al Ries e Jack Trout no famoso livro “Posicionamento – a Batalha por sua Mente”, lançado no começo dos anos 1980.

Quando você consegue identificar claramente o espaço que quer ocupar na mente do cliente, resta colocar o arsenal de marketing (produto, preço, propaganda/promoção, distribuição, pessoas e apresentação do ponto de venda) a favor da construção do tal posicionamento.

Além disso, se a coisa é bem feita, consistente, fica muito difícil invadir o espaço conquistado pelo concorrente entre os neurônios do consumidor.

Uma história muito boa que ilustra esse ponto é o brilhantismo da Duracell em marcar esse território. Creio que todos vão se lembrar do famoso coelhinho da Duracell em diversos comerciais – enquanto todas as pilhas concorrentes (ainda não chamavam pilha de bateria nessa época) já haviam parado de funcionar, o coelhinho seguia forte batendo seu tambor.

Veja o esforço do concorrente Rayovac para tirar essa idéia da mente dos consumidores: colocaram essa mensagem como um mini-folheto dentro de suas próprias embalagens.

A tarefa não vai ser fácil…

Promoção Ovo de Coruja 2010 – Ganhadores

  • terça-feira mar 9,2010 11:29 PM
  • By Russo
  • In Promoção

Adriana Belotto de Curitiba

Rodrigo Nascimento de São Paulo

Parabéns, cada um ganhou um delicioso ovo de chocolate.

Quanto ao terceiro ganhador, sentimos muito, mas não enviou os dados e não vai receber o prêmio.

Jogo das Marcas

  • domingo mar 7,2010 05:32 PM
  • By Russo
  • In Café, Marca

Promoção Ovo de Coruja

Os Ganhadores já foram selecionados e estão sendo notificados.
Logo teremos seus nomes aqui.

O Coruja

Pages (40): « First ... « 1 2 3 4 5 6 7 » ... Last »
PageRank
Follow Me

 

Assine nosso feed.

Categorias

Divulgue O Coruja

 

Assine nosso feed.

RSS Feeds